LADRÕES DE DEUS


Sinopse.

O livro «A Colher de Samuel Beckett», de Gonçalo M. Tavares, serve de ponto de partida para a criação de um filme composto por pintura, música e texto, que procura trabalhar a divinização do esvaziamento do divino, ou seja, a crítica que é o processo contemporâneo de prestação de serviços divinos pelos falsos profetas, como contraponto a uma sociedade faminta de referências, valores, dentes afiados, padrinhos, submissão.
Onde está o Divino? Onde está o homem? Em quem votas? De quem te esqueces?
Através de um processo de quase escrita/realização/desenho/pintura/música automático surreal, as palavras, isoladas ou não, articulam-se com as manchas, com as formas que evoluem, propondo-se, elas próprias, neste processo, contaminarem-se de não senso no seu auto isolamento ou auto complacência, ou contaminarem, quer os ecos que entretanto ganharam, quer os silêncios, que também potenciaram.

Ficha Artística.
Realização. PEDRO SENA NUNES
Texto. GONÇALO M. TAVARES

Pintura. JOÃO RIBEIRO
Música. JOÃO GIL
Saxofone e Programação. ARTUR COSTA
Edição Vídeo
. PETAR TOSKOVIC
Apoio ao Design da Instalação
. WILSON MESTRE
Apoio á Produção. GALERIA AO QUADRADO
Produção Executiva
. FÁTIMA LUZ
Estreia da Instalação
. FESTIVAL IMAGINARIUS
Produção Geral
. VO’ARTE


Fotos da estreia no Festival Imaginarius.









Sem comentários: